Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
  • Acessibilidade
  • Alto Contraste
  • Mapa do Site
  • PortugueseEnglishSpanishChinese (Simplified)FrenchGermanItalian
Página Inicial > Notícias > Estudantes aprendem sobre inseminação artificial e alimentação animal em visita técnica
Início do conteúdo da página Notícias

Estudantes aprendem sobre inseminação artificial e alimentação animal em visita técnica

A iniciativa aconteceu entre os dias 18 e 21 de junho e contemplou estudantes do curso de bacharelado em Zootecnia.
  • Assessoria de Comunicação
  • publicado 10/07/2019 19h30
  • última modificação 11/07/2019 16h17

Entre os dias 18 e 21 de junho, estudantes do curso de Zootecnia do Instituto Federal do Maranhão (IFMA) Campus Caxias participaram de um curso prático de inseminação artificial e conheceram as técnicas de produção vegetal destinada a alimentação animal na fazenda Pampulha, em José de Freitas/PI. Coordenada pelos professores José Manoel de Moura Filho e José Ribamar Muniz Campos Neto, a visita técnica teve a proposta de capacitar estudantes na execução de atividades teóricos e práticas, que proporcionem maior eficiência no processo ensino-aprendizagem, para atuarem como multiplicadores de conhecimentos, notadamente na produção de forragem e na reprodução animal.

“Além disso, a visita teve o objetivo de construir uma mudança de mentalidade dos alunos, no sentido de adotar tecnologias que melhorem a rentabilidade da propriedade em relação aos índices produtivos, contribuindo para a qualidade de vida o bem estar familiar”, pontuou Manoel Filho. Segundo ele, a atividade contribui para o aperfeiçoamento e qualificação dos estudantes. “A partir da visita, e após a conclusão do curso, desejamos que eles possam prestar serviços de assessoria às comunidades, maximizando a produção e seus produtos gerando renda aos produtores através de conhecimentos técnicos e práticos, objetivando uma exploração racional e economicamente viável”, afirmou o professor.

Nos quatro dias de visita à fazenda, os alunos realizaram protocolo nos animais para indução do cio, visitaram áreas de produção, aprenderam sobre manejo de botijão e peças anatômicas de matadouros, praticaram manejo de curral e aprenderam sobre Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF). O professor Muniz Neto lembra que os alunos acompanharam o processo de produção de silagem, observando os equipamentos utilizados e etapas da produção do alimento animal. “Na visita à produção, eles avaliaram o sistema de produção de forragem, comparando os diferentes estágios fenológicos dos cultivos implantados, e acompanharam a colheita de material e preparo da silagem”, complementa.

As atividades propiciaram aos alunos conhecimentos teóricos e práticos que possibilitam promover intervenção na atividade agropecuária, em especial a bovinocultura para uma exploração racional e economicamente viável no tocante à reprodução.  Uma das participantes foi a aluna Tamyres Silva Melo. Ela relata que a atividade “possibilitou aproveitamento das aulas teóricas das disciplinas Fisiologia Vegetal e Fisiologia da Reprodução, onde tivemos a oportunidade de colocar em prática o que foi aprendido em sala de aula, tanto como o processo e a produção de silagem, como também as técnicas de inseminação artificial”, disse ela. Observando o local da atividade, Tamyres Melo destacou que a visita possibilitou avaliar a produção de alimentos volumosos, diferenciando os estágios vegetativos das culturas implantadas, bem como tipo de aparato fotossintético destas. “A parte de acompanhar o processo de produção de silagem, observando os equipamentos utilizados e etapas da produção do alimento animal foi bem interessante também”, frisou.

Muniz acredita que, após a visita técnica, os alunos estão aptos a realizarem a técnica de inseminação artificial em peças anatômicas e nos animais, especialmente a IATF, com a correta aplicação dos hormônios nos animais. “Além disso, os alunos também conseguem diferenciar, com mais precisão, os principais estágios fenológicos das culturas destinadas à alimentação animal, identificando os melhores momentos para entrada dos animais nas áreas de pastejo, bem como melhor momento para colheita do material destinado à produção de silagem”, concluiu.

Fim do conteúdo da página