Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
  • Acessibilidade
  • Alto Contraste
  • Mapa do Site
  • PortugueseEnglishSpanishChinese (Simplified)FrenchGermanItalian
Página Inicial > Notícias > Estudantes participam da Olimpíada GeoBrasil
Início do conteúdo da página Notícias

Estudantes participam da Olimpíada GeoBrasil

Ao todo, foram 13 equipes compostas por estudantes dos cursos técnicos Integrados ao Ensino Médio em Agroindústria e Informática. 
  • Assessoria de Comunicação
  • publicado 09/08/2019 11h44
  • última modificação 09/08/2019 11h44

Na terça-feira (07), estudantes do Ensino Médio do Instituto Federal do Maranhão (IFMA) Campus Caxias participaram da 1ª fase da Olimpíada Brasileira Geo-Brasil (OGB), competição que compreende a V edição da Olimpíada Brasileira de Geografia (OBG) e III edição da Olimpíada Brasileira de Ciências da Terra (OBCT).

A atividade foi desenvolvida sob orientação do professor de geografia Carlos Jardel Araújo Soares. Ele explica que o objetivo da Olimpíada é “despertar nos estudantes o interesse pela geografia e pelas ciências da terra e estimular no aprimoramento do ensino destas disciplinas com metodologias inovadoras de ensino e aprendizagem”. Carlos Jardel destacou que na edição anterior o Campus obteve bons resultados. “Ano passado, conseguimos uma menção honrosa, cinco bronzes e ouro na etapa regional. Esse resultado é fruto de uma articulação entre os professores da área, somado ao interesse dos alunos pela geografia”, afirmou o professor. “Acredito que a proposta da Olimpíada está sendo alcançada, pois nossos estudantes conheceram um pouco melhor o Brasil e o mundo. Estamos na torcida, mas a melhor vitória nessa olimpíada, usando o lema da disputa, é aprender e descobrir novos horizontes”, frisou o professor.

Ao todo, foram 13 equipes composta por 3 alunos dos cursos técnicos Integrados ao Ensino Médio em Agroindústria e Informática.  Nessa fase on-line as equipes puderam consultar materiais e fontes de informação (livros, sites, consultas aos professores etc.) para embasar as suas respostas. Apesar disso, o aluno Neemias Boanerges Macêdo Aguiar, do segundo ano do curso de Agroindústria, avaliou a olímpiada como “um pouco difícil, com questões bem estruturadas e complexas que nos estimularam a pensar e a pesquisar sobre o conteúdo apresentado na prova”.

Uma das propostas da Olimpíada de Ciências da Terra e da Geografia é empoderar os alunos no sentido de contribuírem para uma transformação social, incentivando o desenvolvimento sustentável e as adaptações às mudanças climáticas. “Eu observei isso na forma de aplicação. Sendo on-line, não gera gastos com papéis ou outras coisas do tipo”, disse Neemias Aguiar. “As questões, apesar de difíceis, foram respondidas porque aqui aprendemos com bons professores de geografia. Vale lembrar o incentivo de Carlos Jardel e Aciel, nossos professores de geografia”, concluiu o aluno.

Neemias Aguiar juntamente com Pedro Henrique Silva Magalhães, aluno do segundo ano do curso técnico em Agroindústria, e João Paulo Leal Lopes, aluno do primeiro ano do curso técnico em Administração, formaram a equipe “George Biddell Airy”. “Escolhemos esse nome em homenagem a George Biddell Airy, que foi quem estabeleceu o Meridiano de Greenwich, aquele que é usado por convenção para dividir o globo terrestre em oriente e ocidente”, explicou João Paulo Lopes. “Foi uma tarde que exigiu bastante esforço, mas vale a pena”, declarou ele.

Os estudantes André Lucas Oliveira dos Santos Piorsky, Felipe Anderson Torres Rodrigues e Jeielle Andrea da Costa Machado, todos do curso técnico em Informática,  formaram uma equipe que levou o nome do geógrafo Friedrich Ratzel. “Por sua contribuição para a geografia e por ser o precursor da geopolítica e do determinismo geográfico resolvemos homenageá-lo com o nome da equipe”, explicou André Piorsky. “A Olimpíada exigiu bastante esforço, mas vale a pena”, ponderou. “Deu para prender bastante sobre a geografia do Brasil, porque a Olimpíada te estimula a pesquisar para responder às questões”, frisou o aluno.

“Foi gratificante ver o esforço e dedicação dos alunos. Isso demonstra o interesse do IFMA pela área de ciências humanas e pela inserção dos estudantes em atividades competitiva”, concluiu o Carlos Jardel.

Sobre a Olimpíada

A iniciativa é da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade Federal de Alfenas (Unifal) e Universidade Nacional de Brasília (UnB).

A OBG e OBCT será constituída por 3 fases de provas on-line e 1 fase de prova final e presencial, que se realizará na Unicamp, em Campinas/SP. A colocação final é dada com base no número total de acertos nas três fases iniciais, sendo definidos os 2 times finalistas de cada estado (pelo menos 1 de escola pública) para a quarta etapa do torneio.

Os alunos selecionados na fase presencial serão treinados para participar da International Geography Olympiad, em 2020, em Istambul, Turquia.

No ano de 2018, a Olimpíada foi realizada em três fases on-line com mais de 30.000 alunos participantes. Uma fase final presencial em Brasília na Universidade de Brasília – UnB, onde foram convidadas as duas primeiras equipes melhor classificadas na fase on-line de cada unidade federativa do Brasil, sendo obrigatoriamente uma delas de escola pública.

Fim do conteúdo da página